Sindicato dos Sociólogos do Estado do PA - SINSEP - Fundado em 24 de Junho de 1989.

O processo organizativo da categoria de sociólogos apresenta-se no cenário brasileiro a partir da década de 70. Nessa época, disseminam -se os projetos de regulamentação, advindos das Entidades Estaduais, cujo princípio norteador é o de que os sociólogos detenham participação efetiva em sua elaboração.
Nesse momento, tem início o debate dos sociólogos paraenses e a motivação a criar uma entidade _ Associação Regional dos Sociólogos _ Essa Entidade originou-se da articulação de indivíduos buscando um espaço que possibilitasse a troca de informações, a discussão sobre a regulamentação e que fugisse ao caráter estritamente científico, possibilitando, assim, maior participação de todos os formandos em Ciências Sociais.
As características que marcaram a fundação da ARS, marcaram também seus primeiros passos. Foram elaborados estudos sobre o perfil dos sociólogos paraenses e discutidas teses, justificando a necessidade de regulamentação da profissão.
Em 14/11/77 é fundada a Associação dos Sociólogos do Brasil _ ASB, em Belo Horizonte. A partir daí, unificam-se as lutas a nível nacional e apresenta-se ao Congresso, em Brasília, um “ Projeto de Regulamentação” discutido e encaminhado pela categoria. A categoria dos sociólogos obtém a aprovação da Lei de Regulamentação, de 10.12.80, que é finalmente posta em vigor pelo Decreto 89.581/5-abril/84.
A Associação Regional dos Sociólogos _ ARS como as demais associações civis, resguardando as especificidades locais, insere-se na luta pela transformação do espaço apolítico em espaço de reivindicação e obtém como canal de expressão dessas lutas no processo político nacional, suas organizações de categoria.
Em meio ao contexto político, econômico e social da década de 80, a classe proprietária dos meios de produção vivencia a crise interna do sistema, gerada pelos centros hegemônicos do capital e, para revitalizá-los, submete-se à proposta de reorganização econômica internacional. A classe não proprietária dos meios de produção rearticula-se em função de seus interesses e define também suas plataformas políticas, através de Encontros, Conferências, Congressos, etc.
O debate espraia-se por toda a sociedade brasileira visando detectar soluções para a problemática vivenciada pela classe trabalhadora. Essa nova perspectiva contrapõe-se à ideologia vinculada pelo Estado, que procura homogeneizar, domesticar e impedir a manifestação dos segmentos sociais no questionamento de suas ações planejadas e eficientes para o grande capital e ineficiente para a força de trabalho brasileira.
Na observação dos movimentos conjuntural e estrutural da formação econômica e social brasileira de estruturação, reestruturação e desestruturação dos arranjos sociais, é que se entende a gênese das Associações Profissionais dos Sociólogos _ APS
O III Congresso Nacional de Sociólogos posiciona-se pela criação de sindicato, compreender essa questão passa pela constatação do crescente assalariamento dos profissionais liberais. Assim, os sociólogos, à medida que vendem sua força de trabalho, isto é, participam como produtores no mercado de trabalho, vivenciam a problemática geral da classe trabalhadora. Esta se expressa pelo acúmulo de horas/trabalho; salário baixo; condições de trabalho inadequadas; inexistência nas instituições de quadros de carreira de sociólogos e de apoio à pesquisa; etc.
Essas situações, provenientes dos movimentos orgânico e conjuntural da sociedade brasileira, desencadeavam um novo processo organizativo, pois a Associação Civil não correspondia aos interesses de representação legal dos associados em relação a firmar acordos coletivos, estabelecer piso salarial, jornada de trabalho, etc. Assim, a nova forma organizativa priorizada seria o SINDICATO que unifica as lutas econômicas _ pela melhoria das condições de trabalho, salário, etc _ e política _ quebra da estrutura sindical verticalista e atrelada ao Estado.

Maria Marize Duarte Rolins
Sandra Maria Zaire

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A POLUIÇÃO SONORA PRODUZIDA PELO CORPO DISCENTE DA ESCOLA ESTADUAL PAES DE CARVALHO COMO FATOR DE INTERFERÊNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM.


RESUMO (Monografia de Especialização em Educação Ambiental)
            A escola estadual de ensino médio Paes de Carvalho apresenta um elevado índice de poluição sonora. Constatamos através desse estudo de caso que a referida escola é afetada por ruídos externos (barulho provocado por motores de automóveis e veículos que fazem propagandas comerciais no seu entorno) e ruídos internos principalmente (sons de celulares, MP3 e MP4 player, conversas excessivas de alunos, carteiras arrastadas, etc.). A maior parte dos ruídos são provocados pelo próprio corpo discente, posto que, esse barulho é mais intenso e constante dentro das salas de aulas e no próprio interior da escola de maneira geral, que, aliás, fica com as suas janelas abertas, visto que, a maioria das salas não são totalmente fechadas, pois não possuem aparelhos de ar condicionado, mas somente ventiladores (apenas as salas do anexo é que possuem ar condicionado.). Os ruídos verbais e sonoros também são produzidos nos pavilhões e/ou salões da escola. Estudantes e educadores são extremamente prejudicados nesse ambiente calorento, barulhento e estressante. Os professores não conseguem ter um bom desempenho pedagógico durante as suas aulas, pois ficam cansados rapidamente, precisam falar muito acima de sua voz normal, perdem a concentração, vários têm dores de cabeça, em síntese, acabam ficando estressados, e os estudantes são prejudicados evidentemente no processo de ensino-aprendizagem. O desinteresse, a desconcentração e a desmotivação pelos estudos contribuem decisivamente para a produção de ruídos intensos produzidos pelos alunos, sendo que tal comportamento pode ser explicado pela Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA), segundo o psiquiatra Augusto CURY (2008). Tal síndrome provocada pelo sistema social atual leva os jovens de maneira geral a um nível de ansiedade extremada (estresse negativo), sendo que, essa hiperatividade dificulta sobremaneira a concentração e o próprio interesse pelos estudos. Nesse sentido, eles acabam buscando novos estímulos, como por exemplo, a brincadeira com celulares e MP3 player. É importante frisar que esse estudo fora realizado nos turnos da manhã e da tarde. A finalidade dessa monografia foi analisar, questionar e refletir sobre os ruídos externos e internos (poluição sonora) tão presentes nessa escola, como elementos de interferência no processo de ensino-aprendizagem e também como fator danoso à saúde do corpo docente. A Secretaria Executiva de Educação do Pará (SEDUC-PA) precisa climatizar urgentemente todas as salas de aulas; ademais, o corpo técnico do colégio precisa fazer uma campanha com os alunos baseada na EDUCAÇÃO AMBIENTAL, implantando um Programa de Educação Sonora Ambiental, visando reduzir ao máximo possível os impactos da poluição sonora.
 Professor: Juscelino Camelo da Costa(SOCIÓLOGO).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget